REVOLUÇÃO RUSSA

domingo, 12 de abril de 2009
Queridos estudantes,

Não esperem um resumo pronto no blog. Vocês devem elaborar um texto para o estudo. Destaco algumas observações importantes, mas vocês precisam ler, comparar, questionar, com base no roteiro de estudos. Utilizem também o livro didático e as anotações do caderno. Meu objetivo não é facilitar a vida de vocês e sim incentivar e promover a leitura, a pesquisa e a rotina de estudos.


É preciso sonhar, mas com a condição de crer em nosso sonho, de observar com atenção a vida real, de confrontar a observação com nosso sonho, de realizar escrupulosamente nossas fantasias. Sonhos, acredite neles. (Lênin)

A REVOLUÇÃO RUSSA SIGNIFICOU BASICAMENTE:

o estabelecimento de um governo com participação dos trabalhadores;

a transição do capitalismo para o socialismo;

a tentativa de estabelecer um sociedade igualitária e mais justa;

a tentativa de pôr em prática as idéias marxistas.


A crise na Rússia agravou-se após a guerra com o Japão em 1904. As tropas russas foram humilhantemente derrotadas, e isso despertou entre os trabalhadores e os capitalistas esperanças de que o regime do czar estivesse no fim. Os custos da guerra recaiam nos ombros dos trabalhadores e camponeses, que aumentavam sua oposição ao governo.


A Rússia czarista era um clássico exemplo de desenvolvimento desigual e combinado. Sobre uma enorme e estagnada economia rural subdesenvolvida foi organizado um governo repressor, junto com um exército enorme e relativamente moderno. O capitalismo moderno da Europa Ocidental invadiu a Rússia através de empréstimos de capitais, e pela implantação de grandes indústrias em São Petersburgo e em outras grandes cidades. Mas o sistema capitalista russo era muito frágil e se mesclavam com os latifúndios que representavam a sociedade feudal predominante na Rússia. Por causa da chegada tardia do capitalismo na Rússia, a classe capitalista russa era pouco expressiva.
Em 1905, após numerosas greves de trabalhadores, aconteceu a marcha de 9 de Janeiro, uma manifestação pacífica que incluía ícones e bandeiras religiosas. O "Domingo Sangrento" foi um massacre: soldados atirando na multidão a curta distância durante boa parte do dia. Mais de mil pessoas foram mortas naquele dia. Algumas fontes dizem centenas de mortos, outras, 2 mil e muitas outras foram feridas.
Este grande evento estabeleceu a linha divisória para a revolução, entre a classe trabalhadora e o regime czarista. Depois do 9 de janeiro, foi estabelecido um regime militar, com o general Trepov liderando a repressão. Mas os trabalhadores também se puseram em movimento, com as greves de janeiro e fevereiro se espalhando por 122 cidades e vilas. As greves continuaram durante a primavera, como a dos ferroviários em Abril e Julho. Em Junho, a rebelião do famoso encouraçado Potemkin despertou enormes esperanças antes de ser esmagada pelas forcas do Estado.
Ao eclodir a Primeira Guerra Mundial, em 1914, a Rússia fazia parte de um Império que se expandira sob o domínio dos czares, abarcando várias nacionalidades de partes do leste e do oeste europeu (Armênia, Azerbaidjão, Belarus, Eslovênia, Estônia, Geórgia, Letônia, Lituânia e Ucrânia) e do centro-oeste asiático(Cazaquistão, Quirquistão, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão).
Aliada dos britânicos e franceses contra a Alemanha e Áustria-Hungria, o imenso Império ao mesmo tempo que sofria numerosas derrotas de suas tropas mal-equipadas, atravessava internamente uma situação de enorme gravidade: inflação incontrolável, desemprego, falta de alimentos. No início de 1917, o povo russo, já não suportando mais a situação, faz estourar motins imediatamente nas cidades, nos campos e nas frentes de batalha.

O czar, ao pensar que iria se livrar da situação, como em 1905, foi derrubado do trono em 1917, mais precisamente no mês de março. Era o primeiro passo da revolução. Subiu ao poder a burguesia, setor mais liberal, com apoio dos mencheviques, mas não eram defensores do povo. Formou-se um governo provisório, constituído sob a chefia do Príncipe Georg Lvov e Alexandre Kerenski, como Ministro da Guerra, ocasionando a prisão e posterior abdicação do czar Nicolau II.

O novo governo insistia em manter a Rússia na guerra, mesmo sendo derrotada, e não pensava em fazer reformas agrárias.
Lênin, líder bolchevique do Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR), exilado na Suíça, retornou ao seu país, lançando as famosas "Teses de Abril", programa político que propunha saída imediata da guerra, formação de uma República sob o comando dos sovietes, nacionalização dos bancos e da propriedade privada. Diante da insistência do Governo Provisório de dar continuidade à guerra, promovendo uma ofensiva à Áustria-Hungria, e das manifestações populares, os principais líderes burgueses são eliminados, assumindo Alexandre Kerenski o posto de Primeiro-Ministro.
Os líderes Lênin e Trotsky organizavam novas maneiras de tomar o poder. O partido bolchevista tornava-se cada vez mais popular, pois suas propostas incluíam tirar a Rússia imediatamente da guerra, realizar uma reforma agrária, promover a distribuição de alimentos (Paz, Pão e Terra) e implantar o socialismo. O governo de Kerensky não conseguia se firmar, e aos poucos foi abandonado, mesmo pelos seus mais fiéis seguidores.

Trotsky organizou os preparativos militares (a Guarda Vermelha) para a tomada do poder, enquanto Lênin se preocupou com os aspectos da organização revolucionária.

No dia 7 de novembro (outubro) os trabalhadores, marinheiros e soldados da cidade de Petrogrado tomaram os órgãos do governo. Kerenshy conseguiu fugir. Era necessário que se formasse um órgão que substituísse o antigo governo e atendesse as idéias da maioria. Então por inspiração de Lênin, forma-se o Conselho dos Comissários do Povo, que adota medidas rígidas para defender os interesses da maioria. Este conselho começa a pôr em prática os programas bolchevistas, decretando o fim de hostilidades na guerra, da propriedade privada e promovendo a nacionalização dos bancos e empresas.

Com a tomada do poder pelos bolcheviques, a Rússia dava os primeiros passos no sentido da formação de um novo regime. No entanto, nos primeiros momentos de sua formação, eclode uma guerra civil desencadeada por setores interessados na restauração do antigo regime e inicia-se a intervenção de forças militares da França, Grã-Bretanha, Estados Unidos e Japão que pretendiam a derrubada dos bolcheviques do poder.

A guerra civil
Quando os socialistas assumiram o poder, a burguesia não concordou e iria tentar assumir o poder novamente. Partidários do czarismo, capitalistas e inimigos dos bolcheviques formaram o Exército Branco para acabar com a revolução. Trotsky foi nomeado Comissário do Povo para a defesa, começando, então a organizar imediatamente o Exército Vermelho para combater o Exército Branco.

Outros países, vendo o perigo que o socialismo representava para as classes dominantes, organizam exércitos para intervir em favor dos Brancos, para vencer os Vermelhos. Franceses, ingleses, japoneses, tchecos, ucranianos e finlandeses lutaram contra o novo Estado Socialista. Em 1921 com a vitória do Exército Vermelho, a guerra civil chega ao fim, enquanto fracassa a intervenção estrangeira. Consolidava-se a Revolução Russa.
Embora o fim da guerra e da invasão estrangeira significassem a consolidação da Revolução, o novo governo teve que enfrentar internamente precárias condições econômicas, herdadas não só do czarismo, mas agravadas pela guerra civil e pela invasão estrangeira, situação que fez aumentar as insatisfações da população. Como forma de reerguer a economia e solucionar os problemas advindos da crise social, Lênin apresentou a Nova Política Econômica (NEP), que encontrou forte oposição, pois alguns bolcheviques temiam que esse projeto reintroduzisse o capitalismo na Rússia. E não era para menos. Consistindo num planejamento estatal da economia, a NEP combinava os princípios socialistas com elementos do capitalismo: a permissão de entrada de capitais estrangeiros na política de reconstrução; a formação de pequenas e médias propriedades rurais; pequenas indústrias privadas poderiam funcionar. O estado controlaria as grandes indústrias, as grandes propriedades rurais e o sistema bancário. Após grandes discussões, a NEP foi finalmente implantada em 1921, vigorando até 1927.
Em 1924, a Rússia foi transformada na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), englobando um grande território e uma diversidade de culturas. O Partido Comunista passou a ocupar os cargos mais importantes, obtendo grande parte do poder.
Após a morte de Lênin, em 1924, o comando da Revolução foi disputado entre os colaboradores mais próximos do líder máximo dos bolcheviques.

(múmia de Lênin)


Hoje sabemos que Lênin tinha uma preferência por Trotsky, mas convalescendo de um derrame, o chefe dos bolcheviques não tinha mais força para fazer prevalecer a sua vontade. A incapacidade física de Lênin deu a Stálin a oportunidade necessária para se tornar o líder da Revolução. Disciplinado, incansável e com boa reputação entre a maioria dos membros do partido (para um bolcheviques significava crueldade e frieza com os inimigos), Stálin não deu à mínima para a preferência de Lênin por Trotsky.
Nos livros didáticos de história essa disputa entre Stálin e Trotsky resume-se aos modelos de revolução que cada um defendia. Leon Trostky era partidário da revolução permanente e imaginava que se a revolução socialista não se difundisse pela Europa o próprio regime na Rússia estaria ameaçado. Stálin, por sua vez, acreditava que antes de tudo era preciso consolidar o socialismo na Rússia para só depois pensar em difundi-lo.
Antes de mandar matar Trotsky no México, Stálin decidiu matá-lo na história. Num exemplo notório do que seria a política bolchevique de fazer sumir da história pessoas ou ideias tidas como inimigas, o camarada Stálin determinou que todos os registros fotográficos onde Trotsky aparecia ao lado de Lênin fossem alterados. Assim, nas fotos oficiais que contavam a história da Revolução de Outubro, Lênin que quase sempre tinha a companhia de Trotsky, aparece nas imagens sem o seu companheiro. Vejam dois exemplos abaixo:

Acima, Lênin discursando em frente ao teatro Bolshoi em Moscou. Repare em Trotsky ao lado do palanque. Abaixo, a mesma foto sem a presença de Trotsky.

Outro exemplo de como Stálin procurou apagar a memória de Trotsky da História. Aqui, o criador do Exército Vermelho está ao lado de Lênin. Veja, abaixo, como essa foto ficou depois das ordens de Stálin.

Com a ascensão de Stálin ao poder em 1928, a NEP foi substituída pela política de Planificação econômica, suspensa às vésperas da Segunda Guerra Mundial, mas retomada em 1946, até os últimos dias de existência da URSS.
Comente!!

17 comentários:

{ ♥♥♥♥♥ Jennifer™® ♥♥♥♥♥ } at: 13 abril, 2009 00:50 disse...

your blog is so good

Anônimo at: 13 abril, 2009 14:09 disse...

Ótimo texto professora!Parabéns!!!!

Anônimo at: 13 abril, 2009 14:31 disse...

Nooooosa prôo grandiinho esse texto née?
A soora mais táa valendo melhor que o livro
;D
Brigadaa
;*

Anônimo at: 13 abril, 2009 15:13 disse...

vaaleu professora *-*

Anônimo at: 13 abril, 2009 16:46 disse...

"No dia 7 de novembro (outubro)" Não entendi essa parte professora ... como assim novembro, outubro, confundiu minhas ideias

Anônimo at: 13 abril, 2009 19:53 disse...

Olá professora. O roteiro me ajudou muito. Obrigado por postar.

Anônimo at: 13 abril, 2009 21:23 disse...

professora, por favor, responde ai, qual que é a diferença entre o domingo sangrento e o ensaio geral ? os dois nao aconteceram no mesmo dia? nao foi a mesma coisa ? obg!

{ Delvan Filho } at: 14 abril, 2009 14:29 disse...

gostei de estudar pelo blog professora
Axo q vou ir bem an sua prova
hehe
Tomara!!!
hjehe Abraços
Bejaum professora Elaine
Xau

Anônimo at: 14 abril, 2009 17:37 disse...

Brigado professora Elaine

este texto ira me ajudar muito

{ Prof. Elaine } at: 15 abril, 2009 13:41 disse...

Os russos adotavam o calendário juliano, diferente do nosso que é o gregoriano.
Portanto, há alguma diferença nos meses.
Outubro ou novembro; fevereiro ou março são os meses da revolução de 1917.

{ Prof. Elaine } at: 15 abril, 2009 13:42 disse...

As outras dúvidas serão discutidas em sala de aula, na correção das atividades, ok?

pedru at: 16 abril, 2009 22:08 disse...

aew pssora vlw!

muito bom seu blog fikei fuçanu o dia interu *.*

by: pedru-gordinhu
7ªC

{ Elaine Bogo Pavani } at: 27 abril, 2009 21:15 disse...

Oi Pedro! Valeu pela visita.

Ivan Lima at: 29 abril, 2009 23:07 disse...

Olá Eliane, tb sou professor de História e gostei muito do seu texto sobre a Revolução!
Parabéns!!
Ivan - Campinas - SP

Anônimo at: 29 agosto, 2010 21:46 disse...

Gostei muito do seu texto! Vou utiliza em minhas aulas.. Valeu..

{ Breno S. A. } at: 11 dezembro, 2010 03:29 disse...

Parabéns pelo blog. Adoro história, e com essa paixão criei um blog para falar sobre essa matéria fascinante.
Por favor, vá lá em meu blog e me dê umas dicas, opiniões sobre o que postar, algo sobre história. Ah, e se possível siga meu blog também.
http://encantosdahistoria.blogspot.com/

Parabéns pelo blog!

Anônimo at: 24 março, 2011 13:43 disse...

bom texto pro que continue assim parabens
me ad no msn por favor
paulogtu2011@hotmail.com

Postar um comentário