Imperialismo - A Partilha da África

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009
No século XIX, alguns países europeus iniciaram uma fase de intensa e crescente industrialização. A grande quantidade de capitais acumulados e o desenvolvimento acelerado de novas tecnologias, gerou a necessidade de expandir o mercado e os investimentos.

Neste tempo a Europa era vista como centro do mundo, o europeu era o modelo de homem e o resto do mundo foi considerado terra sem dono e os povos que o habitavam eram selvagens.
Tinham como argumento que um povo civilizado seria aquele que tivesse a mesma cultura européia, isso é, o mesmo modo de vida e o mesmo desenvolvimento. Alguns tinham por argumento a religião. Queriam levar a palavra de Deus aos povos que não eram cristãos.


ÁFRICA ANTES DO IMPERIALISMO A proximidade do continente africano e a grande extensão do território, despertou o interesse das grandes potências européias. Iniciou-se uma verdadeira corrida para África para buscar o domínio de novos espaços e ampliar as possibilidades econômicas. Nessa corrida, a concorrência entre países industrializados da Europa foi grande até mesmo perigosa.
Para evitar confrontos e guerras, os países europeus reuniram-se em 1884 na chamada Conferência do Congo, que teve lugar em Berlim e na qual a África foi repartida entre os estados europeus participantes. O resultado desta conferência foi a ocupação quase completa de África pelos europeus.

O último grande complexo a ser ocupado por um país europeu foi a enorme bacia hidrográfica do Zaire, que em 1908 foi adquirida pelo Rei dos Belgas, recebendo a designação de Congo Belga.

ÁFRICA PARTILHADA APÓS A CONFERÊNCIA DE BERLIM

No fim da primeira década do século XX existiam assim, em todo o Continente Africano, apenas dois países independentes da Europa: a Etiópia e a Libéria.
A corrida imperialista não foi pacífica. Os colonizadores usavam de violência com a população, utilizando a exploração pela força e submissão racial.De uma forma ou de outra, sempre menosprezaram os povos colonizados.

Além disso, os europeus não estavam preocupados com o desenvolvimento e o bem-estar da população africana. A ocupação paralisou o desenvolvimento específico dos povos e feriu suas culturas e autonomia.

Mesmo que os europeus tenham exportado a medicina moderna, lançado as bases das primeiras infra-estruturas para o desenvolvimento econômico e social (desenvolvimento do ponto de vista europeu) e proporcionado a ligação intensiva de África ao resto do Mundo, organizaram as economias das suas colônias de maneira que servissem melhor os seus próprios interesses, como economias complementares das respectivas metrópoles.


Se o neocolonialismo levou progresso e desenvolvimento aos povos colonizados como alguns insistem em afirmar, por que ainda hoje a África possui o pior Índice de Desenvolvimento Humano(IDH), o maior Índice de Pobreza Humana e o menor PIB per capita do mundo? Por que ainda tem as maiores taxas de natalidade, subnutrição, analfabetismo, mortalidade, mortalidade infantil e crescimento demográfico? Não bastasse isso, o continente está assolado por epidemias, principalmente de HIV, e pela fome.


Antes do domínio imperialista, a África era composta por diversas etnias diferentes na língua, na religião e nos costumes. Após a Conferência de Berlim, 53 países surgiram artificialmente, juntando diversos grupos etnoculturais, muitos deles rivais, que foram forçados a coexistir sobre a mesma fronteira. Tal fato acentuou os conflitos tribais no continente, situação que se perpetua até hoje.
Países como Angola e Ruanda estão marcados pela guerra civil.

Mesmo com o fim de um conflito que durou mais de 30 anos, os angolanos contabilizam 1 milhão e meio de mortos, centenas de milhares de refugiados e um território “enfeitado” com 14 milhões de minas terrestres. Ao final da guerra, cerca de 3 milhões de pessoas correm o risco de morrer de fome.


Em Ruanda, a disputa pelo poder político entre os grupos étnicos tutsis e hutus matou mais de 1 milhão de pessoas e hoje convive com 2 milhões de refugiados. A Nigéria, décimo produtor de petróleo do mundo, vive dias tensos por causa de seus 250 grupos étnicos.

Atualmente, o pior conflito ocorre na República Democrática do Congo, ex-Zaire. O governo e quatro grupos guerrilheiros enfrentam-se numa guerra que matou, em apenas três anos, cerca de 2,5 milhões de pessoas.

Qual será o futuro da África?

Escreva um comentário deixando sua opinião registrada! Assim, "tia" fica feliz.

Vamos estudar galera!!!

sábado, 14 de fevereiro de 2009
Moçada,

aluno meu vai passar apurado se disser qualquer besteira semelhante a essas...Deus é mais!!!


video







Comente...deixe seu recado.

Estranho caso de amor

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009
Conviver com os alunos diariamente é muito bom. Já presenciei fatos engraçados e interessantes ao longo dos anos. Mas um fato chamou minha atenção nessa primeira semana de aula. Uma aluna da 7ªC demonstrou um súbito e estranho interesse pela parede da sala de aula.
Isso mesmo: p-a-r-e-d-e. A parede estava soltando a película da tinta que estava em excesso e a aluna investiu boa parte do seu precioso tempo em descascar a parede. Ela olhava, passava a mão, encostava o rosto e até suspirava...Eu chamei a atenção mas não adiantava. Novamente ela se voltava para a parede.
E depois, ainda teve gente que ficou com inveja.

Mistérios...Estranhos mistérios do comportamento humano.





Gifs Animados

Primeiro dia de aula

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

É moçada...o dia chegou! Alguns com sono, outros com preguiça e outros com total disposição. Assim começamos o ano letivo. Tirei algumas fotos para registrar o momento e aos poucos vamos voltando ao ritmo de estudos.
O que você achou do primeiro dia? Comente e deixe "a tia" feliz!
beijos

Início das aulas

sábado, 7 de fevereiro de 2009
Nossa vida é feita de escolhas e somos o resultado das decisões que tomamos diariamente, por mais simples que sejam. Diariamente escolhemos caminhos, coisas, pessoas...E todos os dias temos a oportunidade de tomar novos rumos e de criar o futuro, mudando, corrigindo ou retomando a rota da nossa vida. Isso é mágico! É maravilhoso!

Ser professora foi uma escolha que fiz há algum tempo. Essa escolha exigiu sacrifícios, abandono, estudo e dedicação. Não foi por imposição de meus pais ou por falta de opção: eu escolhi minha profissão. Por isso, amo o que eu faço e não tenho vergonha de dizer que sou apaixonada pela escola, pela sala de aula, pelos alunos e tudo que se relaciona ao saber e à educação.
Você também faz suas escolhas. E mesmo que venha à escola simplesmente por imposição da família e que escolha não estudar mas apenas freqüentar a escola, já fez sua opção. Afinal, não escolher já é uma escolha. Cada um sabe a sua história.
Se quisermos conduzir nossa vida, devemos procurar ser conscientes das escolhas que fizemos e estamos fazendo, pois é esta consciência que nos permite assumir a responsabilidade pelos nossos atos.
No início de cada ano letivo há grande expectativa em relação aos professores e alunos. Os alunos esperam encontrar no professor o mestre que os receba com dedicação e conteúdo. Os professores desejam encontrar uma turma que esteja aberta ao aprendizado. Quando estas expectativas se encontram e se fundem, aí então é mais provável que no fim de cada aula, não estejamos exaustos ou frustrados e sim felizes, por, em algum aspecto em nossa vida, nos realizarmos.
Não basta um professor talentoso, tão pouco um aluno dedicado. É preciso mais: é preciso compromisso, paciência, esperança de tornar o mundo e a nós mesmos cada dia melhores.

Um ambiente que proporcione edificação, alegria, troca e não uma obrigação. É desta forma que desejo me sentir em todos os nossos encontros.

Sucesso em 2009!!! É o que desejo a todos os alunos e colegas de trabalho.




O castelo do nooobre deputado

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009
Você está procurando um imóvel para comprar?
Seus problemas acabaram!!!



Encontrei para você um castelo dos sonhos, inspirado nos contos de fada e na arquitetura medieval, avaliado em 58 milhões de reais. Mas o melhor de tudo é a localização: fica no interior de Minas Gerais, especificamente no distrito de Carlos Alves, vilarejo de pouco mais de 1.000 habitantes e 300 casas, no município de São João Nepomuceno, a 70 quilômetros de Juiz de Fora.


A obra é fan-tás-ti-ca e deixaria até a Cinderela de queixo caído. São 7.500 metros quadrados de área construída em 192 hectares, 32 suítes, dezoito salas, oito torres, 275 janelas, piscina com cascata, fontes e espelhos d'água.
Das oito torres do castelo, a mais alta é a que abriga no topo a suíte do casal, com 110 metros quadrados. Tem 47 metros de altura, igual a um prédio de treze andares. Cada uma das 32 suítes conta com quatro cômodos: quarto, sala de estar, closet e banheiro. O castelo está equipado, ainda, com uma cozinha industrial capaz de atender 200 pessoas, dois elevadores, sistema de aquecimento central, uma capela e um anexo de lazer, com sauna, salão de jogos e de ginástica. Também possui uma adega subterrânea climatizada, com capacidade para 8 000 garrafas. As quase três centenas de janelas são feitas de madeira sucupira. As escadarias são de granito escuro.



(As fotos são de Leonardo Costa)


O dono chama-se Edmar Batista Moreira. É um ex-capitão da Polícia Militar que, da noite para o dia, se transformou em empresário bem-sucedido e deputado federal. Está no quarto mandato como deputado federal, o primeiro pelo PRN de Fernando Collor e o segundo pelo PPB de Paulo Maluf. Atualmente é do DEM e foi eleito na última segunda feira, vice-presidente da Câmara. O novo corregedor da Câmara defende o fim do julgamento de parlamentares no Conselho de Ética.

Em doze anos de obras, a construção consumiu cerca de 10 milhões de reais – mais do que o preço de muitos castelos "de verdade" no interior da França.
A questão veio à tona porque o deputado não teria declarado seu singelo imóvel na relação de bens enviada à Justiça Eleitoral. Edmar Moreira disse hoje, em entrevista, que transferiu o castelo para seus dois filhos em 1993. Ele afirmou também que tem os comprovantes que podem mostrar que ele não deve nada à Previdência Social.
Tenha dó, nobre deputado. Dó do povo...